Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘cinemas’ Category

Filmes baseados em “fatos reais” ou adaptações de obras literárias estão sempre sujeitos aos critérios sensacionalistas de seus produtores. O exemplo recente é a série Gênios, da BBC, sobre Einstein. Uma infâmia à historiografia.
Ontem assisti o filme O homem que viu o infinito, uma espécie de biografia do matemático indiano Ramanujan. Confesso minha total ignorância em relação à biografia de Ramanujan, de modo que não posso avaliar sua fidedignidade histórica. Nem sabia que Godfrey Harold Hardy tinha sido seu mentor. Aliás, minha ignorância a respeito da história da matemática é abissal.


Durante o filme lembrei de um livro de Hardy, que li há muito tempo. Fui na estante com livros de matemática, cálculos, jogos, etc, menos livros de história, e retirei o livrinho publicado pela Martins Fontes em 2000, que eu li em 2008, intitulado EM DEFESA DE UM MATEMÁTICO.
A introdução do livro, que ocupa quase a metade da obra, foi escrita por Charles Percy Snow, e parece ter sido escrita para ser o roteiro do filme. BRAVO!

Anúncios

Read Full Post »

Estou para fazer uma viagem ao Rio de Janeiro, acompanhando minha mulher. Ela estará ocupada com um congresso e eu dedicado à vagabundagem. Será uma viagem romântica. Visitaremos locais preferidos dos anos 1970: Café Lamas, Restaurante La Mole, La FiorentinaBar Garota de Ipanema, entre outros.

Tem um local que não sei como vamos encontrá-lo. Refiro-me ao Cinema Paissandu, que anda ameaçado de desaparecer do mapa, conforme a matéria “A última sessão do Estação Paissandu”.

Depois esta mensagem, que agora é uma espécie de planejamento, se transformará um relato de viagem.

12/07/2009

Chegamos ontem no Galeão, por volta das 13h30. Pegamos o ônibus da Real Auto ônibus, que nos deixou na esquina da Av. Atlântica com a Sá Ferreira, entre os postos 5 e 6. Bem ali, a 20 metros da esquina estava nosso hotel, o Windsor Martinique. Largamos tudo no Ap. 401 e fomos saborear um medalhão piemontese, com um chopp na temperatura correta e colarinho na medida. Caminhando pela calçada da beira-mar, demos de cara com uma escultura do poeta Carlos Drummond de Andrade, sentado num banco, ao lado de quem todo mundo se senta para fazer suas fotos turísticas (http://www.vidaeobra.com.br/biografias/carlos-drummond-de-andrade-poeta.html).

Read Full Post »

Crônica publicada no jornal Primeira Mão
Ano II, n. 3, 1998
Fotos de Antônio do Vale

Aproveitando a deixa do artigo assinado pelo Rodrigues, quero dizer que tenho diversas e belas recordações do Cine Miramar e do Cine São Raimundo, principalmente porque, fazendo minhas as palavras da titia roqueira Rita Lee, “ No escurinho do cinema / chupando drops de anis / longe de qualquer problema / perto de um final feliz ”, era como nos sentíamos naqueles anos sessenta. Não lembro qual o primeiro filme que assisti. Certamente foi numa vesperal do Cine São Raimundo, pois em meados dos anos cinqüenta este era o único cinema em Areia Branca. O Cine Cel. Fausto, como cinema, é uma imagem difusa na minha mente. Não lembro de ter aí assistido filme. Lembro do prédio ainda inteiro, e com o passar dos anos acompanhei seu progressivo desmoronamento. No canto direito da foto à esquerda, um dos últimos registros do Cel. Fausto, pra variar, foto de Antônio do Vale.

Com a completa transformação do prédio do Cine São Raimundo, o Cine Miramar é o que resta de registro arquitetônico da sétima arte em Areia Branca. Na foto à esquerda, Antônio do Vale pretendia registrar uma enchente nos anos sessenta, mas captou, ao fundo (à direita) o antigo prédio do Cine São Raimundo.

Ao que me lembro, esses foram os únicos cinemas de Areia Branca. A propósito, quem lembra o primeiro filme projetado no Cine Miramar? Tenho a impressão que foi “Folhas Secas”. Terá sido isso mesmo? O Celso Luiz, que tem memória de elefante, bem que poderia tirar essa dúvida.

Estado lamentável do Cine Miramar, nos anos 1990

Logo após a inauguração do Cine Miramar (prédio de 2 andares), um colega nosso conseguiu roubar uma chave que abria a porta dos fundos, que ficava no beco da Galinha Morta (ah! Que memória horrorosa! Tenho dúvidas se estou falando do beco correto. Ocorreu-me que o beco da Galinha Morta poderia ser aquele que desembocava na “rua da Saudade”, em cuja esquina ficava a oficina de Reinério -saudades de Wellington!). Enfim, correto ou não o apelido do beco, o fato é que entrávamos com a maior tranqüilidade e assistíamos filmes e mais filmes gratuitamente. Não lembro exatamente como essa história terminou, mas sei bem que perdemos a chave. Creio que Clécio lembra disso. Perguntarei depois.

Outro dia acompanhei um debate num programa de rádio aqui em Porto Alegre , sobre o “escurinho do cinema”. Descobri que, tantos anos passados, tecnologia virtual, DVD, vídeo laser, liberdade sexual, camisinha (e uso de), nada disso foi capaz de acabar com a mística do namoro no cinema. Neste particular, o mezanino do Cine São Raimundo era imbatível. Todos sabíamos, para se ver um filme bem acompanhado no Cine São Raimundo, teríamos que sentar lá em cima, de preferência na última fila de cadeiras, ao lado do box onde ficava a câmara de projeção. Tinha-se que chegar bem cedo, para sentar na última cadeira do mezanino.

A propósito, lembro de uma história bem interessante. Lá pelos anos 60, dois amigos namoravam duas amigas. Costumavam ir juntos ao cinema. As meninas, muito assanhadas, insinuavam as possibilidades de carícias mais apimentadas. Chicletes rolavam de uma para outra boca, atingindo o clímax num incomensurável prazer. Aparentemente, o mais jovem dos meninos não tinha conhecimento dessa prática, corriqueira entre os mais velhos. Na saída do cinema o mais velho perguntou ao mais jovem:

– Sua namorada lhe deu um confeito?

– Deu, respondeu o mais jovem.

– O que você fez com ele?, perguntou o mais velho.

– Comi , respondeu o mais jovem, com a candura de um amante neófito.

Read Full Post »

Crônica publicada no jornal Primeira Mão
Ano II, n. 12, 1998
Atualizada em 2 de maio de 2008

Há muito que venho alimentando a idéia de compilar fatos e boatos ocorridos ou ditos na Areia Branca dos anos sessenta. O plano tem sido discutido, aqui e acolá, numa ou noutra mesa de bar (ei, Flávio de Pitita, diga aí, não me deixe mentir sozinho, homem!). Agora, com a leitura dos livros de Zé Jaime e Wilson de Moisés a vontade de realizar o plano tornou-se obsessiva.

Em recente visita que fiz ao Mirabô, ouvi dele a promessa de participar ativamente do projeto, coletando depoimentos (orais e escritos) e escrevendo suas “memórias” daquela época (ei, Bobô, você prometeu escrever sobre as músicas que fizeram nossas cabeças; aquelas para serenatas e aquelas para o “rala-bucho”).

Para a nossa geração, a obra poderá servir como agradável e nostálgica volta aos felizes dias de adolescência e juventude. Mas, mais importante do que isso, o resgate de regras e comportamentos sociais proporcionará a montagem de um texto sociologicamente significativo. Por exemplo, na época em que as ruas de Areia Branca não eram calçadas (nem com paralelepípedo, nem com asfalto), os meninos costumavam praticar jogos hoje desaparecidos, tais como tica-bandeira (ou bandeirinha), fura-chão e pião, além das disputadíssimas partidas de futebol, acirrando as rivalidades entre os times da rua do meio e das ruas de trás. Certamente teremos histórias a contar sobre esses jogos. Como eram mesmo o nome e a regra daquele jogo de pião em que o vitorioso tinha o direito de bicar o pião do adversário? Recentemente, Evaldo Alves de Oliveira, hoje médico em Brasília, fez uma interessante contribuição, com seu livro Reaprendendo a Brincar: uma viagem à minha infância. Em breve deverei me ocupar dessas e outras publicações, mas a idéia aqui é provocar amigos e amigas de antanho.

Com a extraordinária fama da Canoa Quebrada de nossos dias, seria interessante que alguém relatasse como era vista essa praia nos anos sessenta. Ei, Altair o que é que você achava de Majorlândia? Conta pra gente! A propósito de praia, o que dizer das nossas caminhadas dominicais (alguma vezes com namoradas!), indo pela praia de Zé Filgueira, atravessando o Pontal e a Costa, para chegar em Upanema? Alguém tem uma história (fato ou boato) sobre os piqueniques escolares, aquele ingênuo lazer que passou a caracterizar os farofeiros de hoje? Quem lembra de Casca-de-ovo (o meu coração é só de Jesus / a minha alegria é o…)? Alguém lembra o último filme do Cine Coronel Fausto?

E o primeiro filme do Cine Miramar?

Qual o local preferido dos namorados no Cine São Raimundo?

A propósito de lembrança, uma pequena provocação ao Zé Jaime: homem, você esqueceu Dona Alice Carvalho, minha primeira professora, na Escola de Dona Chiquita do Carmo. Depois fui aluno da prof a Maria Felipe na 3a e 4a Série. Na 5a Série fui estudar com a prof a Geralda Cruz, cujo rigor disciplinar nos deixava arrepiados. Lembram daqueles tarugos de madeira, com formato triangular, que eram colocados sobre os papéis nas escrivaninhas? Pois certa vez a prof a Geralda Cruz arremessou o exemplar que estava sobre sua mesa, em direção às costas de um aluno malcriado, cujo gemido deve ter sido ouvido na rua.

Read Full Post »

Crônica publicada no jornal Prieira Mão

Ano II, n. 6, 1998

Durante toda minha juventude areia-branquense presenciei e ouvi histórias do mais fino humor, algumas antológicas. Entre tantos personagens, quase-mitos, desse nosso acervo humorístico, destacarei o Zé, filho de Antônio Noronha, para contar uma história pouco conhecida. Jamais fiquei sabendo quem o apelidou de Zé Moconha, nem a verdadeira motivação do apelido. Dizem que era por causa de um tipo de cigarro que ele apreciava, mas não sei se isso é verdade. O que é verdade é que o dito cujo era um poço de estripulias. Quando bebia, e isso não era raro, Zé Moconha aprontava; às vezes com o mais surpreendente e refinado bom-humor; às vezes com a mais brutal violência. Quando extrapolava, a polícia intervinha, com a condescendência que se deve ter com um inocente travesso. Certa vez, bêbado como só ele sabia ficar, montou um cavalo e resolveu dar voltas na praça da Matriz, galopar pela rua do Meio e entrar no Cine Miramar. Quando finalmente o delegado de polícia conseguiu interpelá-lo, foi logo justificando:

– Zé, você vai ficar preso porque tentou entrar no cinema e andou a cavalo sobre a praça.
– Pela entrada no cinema o senhor pode me prender, mas pelo passeio na praça eu não mereço. A volta que eu dei num sentido, foi desfeita quando eu dei a volta no sentido contrário.

Quando sóbrio, era a doçura em pessoa. Minha mãe e minhas tias nunca acreditaram que o Zé fosse capaz de fazer aquelas coisas que diziam. Embora ligado por laços familiares, nunca tive uma grande aproximação com Zé Moconha, talvez por causa da diferença de idade. Contaram-me que quando eu era criança (por volta dos 4 ou 5 anos), Zé Moconha e amigos, incluindo o Cônego Ismar, costumavam divertir-se com minhas imitações (dizem que minha imitação do João de Quidoca era engraçadíssima).

Bem no início dos anos sessenta, antes de Antônio Noronha sair de Areia Branca, Zé Moconha foi a Natal e hospedou-se na casa dos meus avós, com os quais eu morava durante o período escolar. Aproveitamos um domingo e fomos visitar uma exposição agropecuária em Parnamirim. Não consigo lembrar como lá chegamos, e não consigo esquecer como de lá saímos.

O Zé começou a tomar umas e outras; coquetéis diversos. Divertia-se à vontade. Quando o dia foi escurecendo, eu, nos meus 12 anos, comecei a ficar preocupado quanto ao retorno. Zé Moconha não tava nem aí. “De algum jeito a gente sai daqui!” Dizia na maior tranqüilidade. Finalmente, ele consumiu o último centavo de daiquiri.

– E agora, Zé?
– Vam’bora!

Eu ainda estava tentando imaginar como aquele “Vam’bora!” ia se transformar em realidade, quando percebemos um monte de gente subindo num caminhão. Iam até a Igreja São Pedro, no Alecrim. Subimos e ficamos encostados na grade, no final da carroceria. Lembro que o Zé perguntou o preço da passagem, mas eu não estava preocupado com o valor; qualquer que fosse, não tínhamos um tostão para pagá-la. Eu não imaginava como, mas confiava que Zé Moconha haveria de encontrar uma solução para pagar nossas passagens. Em plena viagem, alguém inicia a cobrança lá na outra ponta da carroceria. Imediatamente Zé Moconha começa também a cobrar as passagens, a partir da traseira do caminhão. Mais ou menos no meio da carroceria, os cobradores (o verdadeiro e o falso) encontram-se, e o Zé, na mais cândida inocência diz:

– Pronto, daqui para trás tá tudo pago!

Read Full Post »

Crônica publicada no jornal Primeira Mão
Ano II, n. 2, 1998

Quisera fosse o contrário: lembrar muito, e com cristalina nitidez. O sujeito sai do seu rincão e se larga pelo mundo afora, conhece gente, vida nova, vai trocando a casca, abandonando as raízes. Quando pára, descobre, com tristeza, que a memória é curta e turva. Alguns registros permanecem intactos, mas outros parecem uma nuvem mal-definida. Não esqueço os comícios e as passeatas de Manoel Avelino, ao som de(…) enquanto a minha vaquinha / tiver o couro e o osso / e puder com o chocalho / pendurado no pescoço / (…) / só deixo o meu Cariri, no último pau-de-arara (…).

Quando a bossa nova encaminhava-se para o sucesso, um trio (como se chamava?) embalava nossas festas em Areia Branca. Mirabô, Maninho e, se não me falha a memória, Zé Amorim; é isso mesmo? Lembro que o Mirabô gostava muito de cantar “chove chuva / chove sem parar (…)“, de Jorge Bem, mas não lembro das canções prediletas do trio. O que eu lembro é que a bossa nova nos alimentava de músicas para curtir ou para dançar agarradinho, mas o que agitava mesmo a tchurma, era o twist e, logo depois, o iê-iê-iê. Alguns se achavam tão bons dançarinos de twist, que resolveram cobrar por apresentações. A efêmera companhia de dança apresentou um único show, em Grossos. Eram duplas, apenas de rapazes – as meninas não tinham suficiente cara-de-pau! Não lembro nem quantas duplas tínhamos, nem os nomes das mesmas.

E as serenatas com radiola portátil? Como éramos ridículos! Éramos, vírgula, porque quando Mirabô & Cia resolvia fazer serenata, a história era outra! Não esqueço “Hoje é noite / de ficar sozinho / de cantar baixinho / pra ninguém notar / (..) / noite triste assim como esta / não quero passar nunca mais / todo mundo olhando pra gente / pensando que a gente / não se ama mais (…)“. Se não era bem essa a letra, é porque a memória é curta e turva.

Para dançar, rostinho colado, no centro do salão, nada comparava-se a “a taste of honey“, estranhos ao luar” (é esse mesmo o nome?), “tender is the night“, a irresistível “the shadow of your smile“, ao som da qual muitas juras e promessas de amor eterno devem ter sido feitas.

Quem esquece “capri c’est fini“, Mamas and the Papas com “sunday will never be the same” (não havia uma versão dessa música?), o grande sucesso “monday, monday” e a inesquecível “califórnia dreamin“? E Nat King Cole com “Mona Lisa“, Paul Anka com “you are my destiny“, (tocava muito no Cine São Raimundo e no Cine Miramar, antes das sessões). Também eram muito executadas, “Malaguenha” e “Granada“.


Antônio do Vale queria registrar uma enchente na Areia Branca dos anos 60, mas captou ao fundo, o Cine São Raimundo. À direita, o prédio original do Cine Miramar.

Mais tarde, já na década de 70, “Marie jolie” embalou corações e mentes de jovens apaixonados. Na sessão dor-de-cotovelo, biriteiros e mal-amados não podiam deixar de lado “negue“, “a volta do boêmio“, “risque“, “sentimental demais” e “brigas” (as duas últimas com o seresteirão Altemar Dutra).

Não pensem que de um parágrafo para o outro minha memória ficou prodigiosa. É que compro tudo que é gravação de música que fez minha cabeça na adolescência e juventude. Depois eu conto como em Paris eu fiz uma vendedora achar uma gravação de “Marie Jolie“. Agora, eu quero é ver o Mirabô aceitar a provocação e, qual uma batalha de repentistas, tomar o mote e fazer as correções que este arremedo de apontamentos históricos merece.

Read Full Post »

Em 1969, Joerton era nosso professor de matemática no 3o ano do científico noturno do Colégio Estadual do Atheneu Norteriograndense. Ah! o velho e glorioso Atheneu. Era um estudante de engenharia, um pouquinho mais velho que os mais novos da nossa turma. Freqüentávamos os mesmos ambientes da boemia. Depois da aula de 6a feira saíamos para a farra, geralmente para as festas do ABC, que ficava bem ali, na esquina da Afonso Pena com a Potengi, atrás do Atheneu.

Joerton exibia aquele ar desligado comum aos seres humanos de inteligência indiscutível. Fazia questão de deixar claro que não precisava preparar aula. Para ele, o improviso era a marca do intelecto superior. Tinha orgulho de tudo isso, mas do que mais se orgulhava era da sua capacidade de ingestão alcoólica. Conhecia todos os bares e botecos de Natal, mas seu local preferido era a A Palhoça. A Palhoça era assim, não necessitava do qualificativo Bar.

Toda 4a feira Joerton saía do Atheneu, seguia pela Potengi até a Av. Deodoro, dobrava à esquerda e caminhava cinco quadras até à Palhoça, que ficava ao lado do Cine Rio Grande e era propriedade do pai de Luíz Damasceno, o mais competente livreiro da capital potiguar. O nome Palhoça combinava com a arquitetura do estabelecimento, que consistia em vários cubículos, separados por paredes de palha, com chão de areia.

Nessa foto, a Palhoça é o pequeno prédio à esquerda.

Certa vez Joerton nos convidou para uma cervejada na Palhoça. Como de costume, não parava de contar histórias do folclore escolar. Naquele dia, a mais hilariante envolvia um famoso filhinho-de-papai, que era tão obtuso, quanto rico.

A cena ocorrera no cursinho pré-vestibular. O professor de matemática estava dando uma aula sobre análise combinatória. A certa altura, o garboso e obtuso mancebo, que se postava arrogantemente nas últimas cadeiras da sala, pergunta:

Professor, o que quer dizer esse sinal de exclamação depois do número 4?

Imediatamente, um atilado e irônico colega que se sentava bem na frente, vira-se e diz, em alto e bom som:

O sinal de exclamação está exclamando: Oh, menino, quanto és burro!

Como se sabe, em análise combinatória, o sinal de exclamação é utilizado para representar a operação fatorial, ou seja, fatorial de 4 é escrito assim: 4!

Read Full Post »