Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Divulgação científica’ Category

O Professor Emérito e os 40 anos do Departamento de Física da UFRN: liacirProfEmerito111215Pub (15.12.2011)

A mulher que calcula: MulherQueCalcula120310Pub (10-11.03.2012)

A memória volátil da nossa civilização: civilizaMemoVolatil120725Pub (25.07.2012)

Em busca da geração perdida, achei Kiki de Montparnasse: kik120512Pub (12-13.05.2012)

Como contornar as dificuldades da reforma do ensino médio?: ReformaEnsinoMedio120825Pub (25-26.08.2012)

Há um século, Niels Bohr elaborava seu model atômico: Bohr_JH_120908 (8-9.09.2012)

O controvertido Nobel de Física de 1912: nobel1912_121008Pub (08.10.2012)

O equívoco de Einstein e o Nobel de 2012: einsteinNobel2012_121117Pub (17-18.11.2012)

A prancheta de Maeterlinck: Maeterlinck121220Pub (20.12.2012)

 

Anúncios

Read Full Post »

Em 1990 preparei multicamadas magnéticas de níquel e prata, em colaboração com Bernard Rodmacq, no Centre d’Etudes Nucléaires de Grenoble. Entre os resultados, um deles foi considerado anômalo e inconsistente com as leis da termodinâmica. Refiro-me à histerese invertida, que já havia sido considerada por outros autores, sem qualquer teoria convincente, nem resultados experimentais inquestionáveis. Alguns autores atribuíram os resultados a artefatos experimentais. Pela quantidade de experimentos que fizemos (Rodmacq e eu), sempre estivemos convencidos de que aquilo era algo real, embora não soubéssemos explicar com profundidade.

Em 1995 publicamos esta letter na Journal of Magnetism and Magnetic Materials.

histereseInvertida

Alguns ciclos de histerese são apresentados abaixo

ciclosInvertidos

Na época, ao nosso conhecimento, apenas um grupo de pesquisadores havia relatado resultados similares, com multicamadas de óxidos de cobalto e cobre e óxidos de cobalto e alumínio, e um esboço de teoria havia sido publicado por Aharoni.

Depois de 1995, Rodmacq e eu passamos a trabalhar com outros temas, e a histerese invertida foi se arrastando na literatura, incluindo o relato de colegas do IF-UFRGS. O número de publicações e citações na base de dados Web of Science são apresentados abaixo. Como se vê, a média anual de artigos publicados é inferior a 13, muito pouco para um tema polêmico, mas o crescimento do número de citações anuais é bem significativo.

pubCitacoes

Para minha alegria, acabo de ser informado da publicação, no último dia 3, na revista Scientific Reports, do grupo Nature, do artigo

Physical Justification for Negative Remanent Magnetization in Homogeneous Nanoparticles, com belos resultados experimentais e uma interessante argumentação teórica. E a polêmica continua!

Read Full Post »

Provocado por Maria Lúcia Jeunehomme Borges, que me enviou o artigo “Revistas científicas ou túmulos do saber?”, publicado por Alex Moraes no blog “Outras palavras”, resolvi dar meus pitacos nessa polêmica internacional.

Alex Moraes refere-se à avaliação trienal da Capes e ao artigo “How journals like Nature, Cell and Science are damaging science“ publicado pelo Prêmio Nobel de Medicina de 2013, Randy Wayne Schekman, no The Guardian e com o título “Por qué revistas como ‘Nature’, ‘Science’ y ‘Cell’ haven daño a la ciencia” no El País para apresentar os seguintes argumentos, entre outros:

  • O produtivismo está a serviço do epistemicídio porque bloqueia ou dificulta seriamente a emergência de outras formas de construção e enunciação do conhecimento;
  • Nossos prestigiosos programas de pós-graduação mais se assemelham a organismos autistas, imersos em transe profundo, alheios a qualquer preocupação com a importância social do conhecimento científico;
  • Todos os cientistas deveriam atacar o uso das publicações para avaliar os pesquisadores.

Boa parte do que dizem Alex Moraes e Randy Schekman representa um sentimento compartilhado por inúmeros pesquisadores, todavia, apenas uma pequena parte é universal, no sentido que se pode aplicar a todas as áreas do conhecimento. Para quem não conhece, vale a pena dar uma lida em “Para uma sociologia da ciência”, de Pierre Bourdieu. São muitas e enormes as diferenças no exercício profissional de físicos e antropólogos, por exemplo. Transpor práticas de uma para outra comunidade pode ser tão nefasto quanto equivocada é a generalização de interpretações de eventos circunscritos a uma área de conhecimento.

O primeiro argumento de Alex Moraes, listado acima, não tem conexão com a realidade pertinente à física. Uma simples consulta às bases de dados nacionais e internacionais mostra a emergência em profusão de novas formas de construção e enunciação do conhecimento. A diversidade de áreas de conhecimento nas ciências da natureza não foi seriamente afetada pelo que se denomina “ideologia do produtivismo”. Aliás, uma reclamação de Randy Schekman tem a ver com o uso perverso que algumas revistas fazem de alguns estudos especulativos:

A paper can become highly cited because it is good science – or because it is eye-catching, provocative or wrong. Luxury-journal editors know this, so they accept papers that will make waves because they explore sexy subjects or make challenging claims. This influences the science that scientists do. It builds bubbles in fashionable fields where researchers can make the bold claims these journals want, while discouraging other important work, such as replication studies.

Um artigo pode se tornar altamente citado porque aborda boa ciência – ou porque é atraente, provocante ou errado. Editores de revistas de luxo, sabem disso, então eles aceitam artigos que causarão agitação porque exploram assuntos sexy ou levantam questões desafiadoras. Isto influencia a ciência que os cientistas fazem. Isso cria bolhas em campos da moda onde pesquisadores podem fazer as afirmações ousadas que os jornais desejam, enquanto desencorajam outros trabalhos importantes, tais como replicações de estudos.

Portanto, nem a “ideologia produtivista”, no caso das ciências da natureza, necessariamente impede a “emergência de outras formas de construção e enunciação do conhecimento“ nem o incentivo dessas é necessariamente salutar para a evolução do conhecimento científico.

No segundo argumento listado acima, Alex Moraes dá a entender que os programas de pós-graduação não se preocupam com a importância social do conhecimento científico. Mais uma vez, é preciso relativizar essa argumentação. Há linhas de pesquisa nas quais a preocupação com a importância social pode até ser prejudicial para o avanço do conhecimento. O que deve preponderar é a liberdade e a competência para a criação. Para ficar em apenas três áreas de conhecimento conexas e focando em temas emergentes, destaco o estudo de isolantes topológicos, um material cujos fundamentos saíram da matemática, em estudos absolutamente abstratos, sem conexão com qualquer que seja o interesse social, foram adotados por físicos teóricos para estudar um material inexistente e que agora está às portas de se transformar em realidade (http://cienciahoje.uol.com.br/colunas/do-laboratorio-para-a-fabrica/o-estaneno-vem-ai). Isso ocorrendo, poderá resultar na fabricação de dispositivos nanoeletrônicos, uma tarefa majoritariamente desenvolvida por engenheiros, que prioritariamente trabalham com temas de interesse social. Ou seja, um tema que teve início apenas na curiosidade intelectual de matemáticos e físicos, sem compromisso com a realidade social, desemboca na fabricação de produtos tecnológicos. É da compreensão dessa realidade que nasce o “dogma” tão ardorosamente defendido por muitos cientistas naturais: o essencial é fazer ciência de qualidade, independente da sua eventual aplicação tecnológica ou social. Se os matemáticos não tivessem desenvolvido os fundamentos da topologia e os físicos teóricos não tivessem aplicado os mesmos a alguns tipos de materiais, não poderíamos ter os dispositivos eletrônicos desenvolvidos pelos engenheiros. Essa é a cadeia que leva um tema abstrato, sem aplicação à vista, de uma folha cheia de equações a um produto na prateleira de um supermercado.

Finalmente, o terceiro e mais polêmico argumento, que também é apresentado no artigo de Randy Schekman, merece uma consideração relativizadora. É claro que excetuando os proprietários de periódicos científicos, todos estão mais do que felizes com o livre acesso à literatura científica. Contudo, os periódicos de livre acesso não são gratuitos e essa questão do custo terá que ser enfrentada, cedo ou tarde. A questão é complexa e está acima da minha capacidade de reflexão. O que eu quero discutir é o que geralmente está por trás de toda esta polêmica, ou seja a avaliação do trabalho científico.

A exemplo de muitos, o Prêmio Nobel Schekman argumenta como se todos tivessem seu nível de conhecimento da ciência que pratica; como se tivessem a capacidade de analisar corretamente a qualidade da informação contida em artigos científicos. Incontáveis estudantes de graduação, pós-graduação, recém-doutores e cientistas experientes em uma área, mas leitor inexperiente em outra, precisam de uma certa garantia de que o texto que estão lendo não contêm graves erros conceituais ou metodológicos. O reconhecimento da qualidade de uma revista, supostamente garantida pela qualidade de seu corpo de avaliadores, serve de garantia para esse leitor com pouca ou nenhuma experiência no tema do artigo. Nesse sentido, a publicação de qualquer artigo submetido, sem avaliação pelos pares, é uma prática muito discutível e pode propiciar a difusão de erros conceituais em cascata e em grande quantidade.

Para Schekman, as universidades não deveriam julgar os candidatos em concursos pelas revistas onde publicaram, mas pela qualidade de suas publicações. Trata-se de uma afirmação tão consistente do ponto de vista conceitual, quanto inviável na prática. Quem já participou de concursos para professores universitários, quer seja como gestor ou como examinador sabe muito bem que avaliar 10 ou mais candidatos para uma vaga não é tarefa compatível com a proposta de Schekman. Mesmo que a banca fosse capaz de avaliar o mérito científico das publicações de todos os candidatos, o que na prática jamais ocorre, não haveria tempo hábil para assim proceder nas circunstâncias em que os concursos são realizados nas universidades brasileiras.

Digamos que na tentativa de tornar isso possível, o número de artigos selecionados para a avaliação seja limitado a três. Digamos também que por uma dessas coincidências cósmicas, todos os trabalhos indicados pelos candidatos pertençam aos domínios de expertise da banca. Portanto, a banca deveria avaliar 30 trabalhos como se estivesse na condição de árbitro de revista científica. Só quem não conhece a realidade brasileira pode imaginar algo assim.

Mas, vamos levar ao cúmulo do imaginário esse exercício. Digamos que a banca, possuidora de uma capacidade divina, possa avaliar em tempo hábil o mérito científico de 30 trabalhos. Resta saber se é justo aprovar um candidato

que tenha apenas 3 trabalhos publicados, nada mais do que isso, e que o mérito científico seja apenas levemente superior aos 3 trabalhos selecionados de um candidato preterido, sendo que este tem outros 10 trabalhos publicados, com mérito científico apenas levemente inferior aos seus 3 trabalhos selecionados para a avaliação.

Portanto, imaginar que se pode avaliar produção científica em concurso universitário sem levar em conta a fonte da publicação não passa de devaneio.

Read Full Post »

Este é o título da minha coluna de fevereiro na Ciência Hoje Online, onde apresento alguns fatos referentes à descoberta do grafeno, material que ameaça o silício no papel-chave da indústria eletrônica. Em função da limitação de espaço editorial na CH Online, algumas informações são apenas sugeridas na coluna, ou colocadas implicitamente. Mais detalhes sobre o assunto são apresentados em http://www.professorcarlos.com/.

Read Full Post »

Este é o título de um episódio da série Histórias Extraordinárias, que a RBS TV exibirá em abril (sábados, 12h20min). Trata-se de um episódio baseado em uma história acontecida há aproximadamente 30 anos. Foi na cidade de Antonio Prado (RS), onde um homem (de nome Armindo) sobreviveu a quatro raios, em ocasiões e circunstâncias diferentes. Na época ele tinha 42 anos de idade. O episódio, com roteiro de Cristina Gomes, é dirigido por Boca Migotto.

Fui entrevistado para esclarecer dúvidas sobre as propriedades físicas dos relâmpagos. Antes da entrevista fui informado sobre os fatos apurados pela equipe de produção. O primeiro e mais sério evento ocorreu durante um temporal, quando o Sr. Armindo tentou manipular uma máquina de costura. Tomou um choque e ficou desacordado. Alguns acreditavam que tinha morrido. Alguém lembrou que deveriam enterrar boa parte do seu corpo para descarregar a carga acumulada durante o choque. Como a providência não deu resultado imediato, decidiram que deveriam tirar-lhe a roupa para melhorar o contato com a terra. O homem continuou inerte. Decidiram colocar algumas correntes metálicas nas proximidades do corpo. Finalmente o Sr. Armindo deu sinal de vida. Os outros eventos ocorreram ao ar livre e foram de menor intensidade. Apenas na quarta ocorrência o Sr. Armindo procurou ajuda médica.

O Sr. Armindo acredita que:

  • Depois do primeiro choque ele adquiriu a propriedade de atrair raios, e que esta teria cessado depois que foi medicado.
  • Santa Bárbara realmente protege contra os raios.
  • Cobrir espelhos evita a incidência de raios.

Relâmpagos e trovões assustam, maravilham e desafiam a inteligência humana há milênios. Das crenças dos antigos foram para a mitologia. Quase todas as civilizações têm um deus relacionado com os relâmpagos. A primeira abordagem científica deve-se a Benjamin Franklin, lá por volta dos anos 1750. Duzentos anos depois, por volta de 1960, Richard Feynman, Prêmio Nobel de Física, disse no segundo volume das suas extraordinárias Lições de Física, que pouco era sabido dos detalhes relacionados com os relâmpagos. Tanto tempo desafiando a nossa capacidade intelectual é uma boa medida da complexidade do fenômeno. 

Se entre a comunidade científica a questão da eletricidade atmosférica tem provocado muito debate, geralmente por causa das medidas inconclusivas, são inúmeros os mitos existentes entre a população leiga. A história do Sr. Armindo é um bom exemplo. Acredita-se que a pessoa fica com carga acumulada depois de ser atingido pelo raio. Em primeiro lugar, é necessário precisar a expressão “atingido pelo raio”. O raio pode atingir diretamente a pessoa. Talvez este seja um caso em que a sobrevivência é rara. É provável que a maioria das incidências seja secundária. Os casos do Sr. Armindo são desse tipo. E esses são provavelmente os casos mais frequentes, pois estima-se que menos de 30% das pessoas atingidas por relâmpagos chegam ao óbito.

Esse texto continuará, ou como diria o Anonymous Gourmet: Voltaremos!

Read Full Post »

Este é o título da minha coluna de dezembro na Ciência Hoje Online. É sobre as partículas Janus, que funcionam como um surfactante. Vem despertando enorme interesse nos últimos anos, mas seus fundamentos experimentais foram descobertos entre 1903 (Walter Ramsden) e 1907 (Spencer Umfreville Pickering), e seus fundamentos teóricos foram apresentados em um artigo que Pieranski publicou em 1980. Visite  http://www.professorcarlos.com/ e veja belas imagens de partículas Janus e outras partículas utilizadas em emulsões Pickering.

Read Full Post »

ibirapuera_081015

Veja matéria na Revista Fapesp, sobre a palestra que apresentei no Ibirapuera, dia 19/10, e o vídeo com as principais partes da palestra.

Read Full Post »

« Newer Posts - Older Posts »