Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘História da Ciência’

O físico Roberto Petronzio, diretor do Instituto Nacional de Física Nuclear da Itália, afirmou ao jornal romano “La Republica”: “Não posso negar que essa atribuição particular me enche de amargura: Kobayashi e Maskawa têm como único mérito a generalização, de outra forma simples, de uma idéia central cuja paternidade é do físico italiano Nicola Cabibbo”.

Realmente, os livros de física de partículas elementares costumam chamar a teoria premiada pelo Nobel de 2008 de “matriz de Cabibbo-Kobayashi-Maskawa”. O documento do comitê do Nobel que justifica a premiação menciona que o trabalho dos japoneses de fato começou com uma generalização de um estudo de Cabibbo, publicado em 1963.

Os físicos ouvidos pela Folha, porém, concordam que a generalização feita pelos japoneses e a conclusão de que ela implicava a existência de novos quarks e explicava a diferenças entre matéria e antimatéria foi longe de ser trivial.

“Prefiro não comentar o assunto”, disse à Folha Cabibbo, atualmente presidente da Academia de Ciências do Vaticano.(Folha de SP, 8/10)

Extraído do Jornal da Ciência.

Saiba mais:

Anúncios

Read Full Post »

A exemplo do que ocorreu durante a exposição Revolução Genômica, a revista Pesquisa FAPESP e o Instituto Sangari organizam agora uma série de palestras e debates complementares à mostra científica Einstein, que está em cartaz no no Pavilhão Armando de Arruda Pereira (antiga sede do Prodam), em frente ao planetário, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo. Em linguagem simples, acessível a um público amplo, físicos e especialistas de outras áreas – cinema, sociologia, filosofia, neurologia e história da ciência, entre outras – vão falar sobre as idéias de Albert Einstein e suas implicações em outros campos do saber.

Nas tardes de sábados, haverá mesas-redondas sobre o tema “O tempo em dois tempos”. Nelas, um físico e um pesquisador das ciências humanas falam e conversarão sobre a noção do tempo e do espaço em suas especialidades. Nas manhãs de domingo, na série “Muito além da relatividade”, físicos e escritores especializados em física do Brasil e do exterior abordarão aspectos pouco conhecidos da vida, do contexto histórico e da obra de Einstein. A entrada para as atividades da programação cultural, que ocorrem no auditório do pavilhão da exposição, é gratuita. A revista Pesquisa FAPESP e seu site farão cobertura intensiva das palestras.

Veja matérias na Revista Pesquisa Fapesp:

Outras informações sobre a exposição.

Segue abaixo a lista provisória da programação cultural, que ainda pode sofrer alterações:

11/10
O Difícil Legado de Einstein – Carlos Escobar, físico e professor da Unicamp
Mudando o modo de ver o mundo: indivíduos e ‘Zeitkontext’ ou como o movimento Browniano modificou o modo de fazer ciência – Peter Schulz, físico e professor da Unicamp
Mediador: Marcelo Leite, jornalista e colunista da Folha de S.Paulo

12/10
Einstein Inventor – Nelson Studart, físico e professor da UFSCar

18/10
O tempo do universo – Roberto Martins, físico e professor da Unicamp
O tempo no cinema – Rubens Machado (a ser confirmado)

19/10
A preparação de Einstein para o seu ano miraculoso – Carlos Alberto dos Santos, físico e professor da UFRGS

25/10
O tempo nas sociedades humanas – Mauro Almeida, professor da Unicamp, e Olival Freire, professor da UFBA

1/11
De Galileu a Einstein: do tempo da física ao tempo vivido – Pablo Mariconda, filósofo e professor da USP.
O tempo na filosofia – Antônio Augusto Videira, professor da UERJ

2/11
Em aberto.

8/11
As contribuições e críticas de Einstein à física quântica – Silvio Chibeni, físico e professor de filosofia da Unicamp.
O tempo no teatro – Sérgio de Carvalho, diretor teatral e professor da USP

9/11
Einstein no Brasil – Alfredo Tomalsquim, fisico e diretor do Museu de Astronomia e Ciências Afins (Mast) do Rio de Janeiro

15/11
O tempo e a memória – Martín Cammarota, biólogo e professor da PUC-RS.
Impactos da obra de Einstein no campo da Física Médica – Roberto Covolan, físico e professor da Unicamp

16/11
Tema em aberto – Gary Steigman, professor da New York University, Estados Unidos

22/11
O tempo na educação” – Lino de Macedo, professor da Faculdade de Educação da USP, e Carmem Prado, física e professora da USP

23/11
Buracos Negros: rompendo os limtes da ficção – George Matsas, físico e professor da Unesp

29/11
Atividade a ser definida.

30/11
Tema em aberto – Arthur Miller, professor Emérito de história e filosofia da ciência do University College, Londres, autor de Einstein, Picasso: Space, Time, and the Beauty That Causes Havoc

6/12
Tema em aberto – Yurij Castelfranchi, físico e pesquisador da Unicamp.

7/12
Einstein e a matéria – Luiz Davidovich, físico e professor da UFRJ

13/12
Atividade a ser definida.

14/12
Tema em aberto – Michel Paty, diretor de pesquisa emérito no Centre National de la Recherche Scientifique, França, e autor de A filosofia de Einstein

Read Full Post »

Este é o título da minha coluna de abril, disponível em http://cienciahoje.uol.com.br/118238

Veja o início e o final da coluna:

Consta nos arquivos da Universidade de Würzburg, na Alemanha, que a radiografia ao lado foi obtida no dia 23 de janeiro de 1896 pelo físico alemão Wilhelm Conrad Roentgen (1845-1923), a quem se deve a descoberta dos raios-X. Ao que se sabe, essa radiografia – da mão do professor de anatomia Alfred von Koelliker – foi a segunda e última obtida por Roentgen com partes do corpo humano. A primeira representa a mão da sua mulher, em 22 de dezembro de 1895.

De Roentgen a Hounsfield, a centenária história dos raios-X tem mostrado um padrão característico. Como num processo dicotômico, as descobertas inicialmente fascinam pelo inusitado e pelas possibilidades de aplicações médicas e tecnológicas, para no momento seguinte causarem inquietação pelos efeitos danosos. Entretanto, sempre que emerge a inquietação, a humanidade busca um compromisso no qual os benefícios sejam potencializados e os riscos, minimizados. O recente alerta de Brenner e Hall faz parte desse processo, como também fazem parte enaltecedoras observações registradas na literatura. Não há como deixar de se impressionar com a qualidade das imagens obtidas com a tomografia computadorizada. Se assim não fosse, como explicar o interesse recente pelo tratamento artístico dessas imagens?

Read Full Post »

Artigo publicado no jornal Zero Hora, um dia após a morte de César Lattes. 

Veja o artigo completo em http://www.if.ufrgs.br/~cas/lattes_zh.htm

Read Full Post »

« Newer Posts