Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘literatura’

medawar01_300px1Li no Almanaque Gaúcho de Zero Hora de ontem, uma nota sobre Sir Peter Brian Medawar, Prêmio Nobel de Medicina de 1960. A nota referia-se ao fato de ele ter renunciado à sua cidadania brasileira para não prestar o serviço militar, em cujo período estudava na Inglaterra. Como era filho de mãe inglesa, pode adotar a cidadania britânica. Foi assim que o Brasil deixou de ter seu primeiro ganhador do Nobel.

medawar_capa012Mas, não é por isso que Medawar ocupa um lugar na minha memória. É pelo que ele escrevia. Há mais de 20 anos li Advice to Young Scientist. O livro me causou grande impressão, sobretudo uma frase mais ou menos assim:

Tenho muita pena quando vejo jovens pesquisadores gastando horas e horas na biblioteca, em vez de ir para o laboratório realizar experimentos.

Essa contundência parece que acompanha seus escritos. Estou lendo Os limites da ciência. Veja algumas frases:medawar_capa021

(…) quase desisti da filosofia, tanto pelo tamanho como pela leitura pesada e pela erudição desagradável, características da principal obra de Alfred North Whitehead.

Outra propriedade que coloca as ciências genuínas à parte daquelas que arrogam para si tal título, sem realmente o merecer, é a sua capacidade preditiva.

Muitas pessoas que têm por obrigação compreender melhor as coisas derivam suas concepções sobre a ciência dos livros para adolescentes ou das ficções científicas mais extravagantes.

Read Full Post »

os-nonatos-734660Veja esse repente maravilhoso, dos Nonatos. Como dizem meus irmãos nordestinos: pense em dois cabras atualizados!

O planeta movido a internet é escravo da tecnologia

 

Sítio dos Nonatos.

Read Full Post »

Faz 32 anos desde a primeira vez que visitei a Feira do Livro de Porto Alegre. Em 1994, quando ela fez 40 anos, eu até escrevi uma crônica. Faz 54 anos que a feira é realizada no mesmo local (praça da Alfândega) e no mesmo período. Inicia na última sexta-feira de outubro e encerra no segundo domingo de novembro. Vou fazer aqui uma retrospectiva fotográfica, com fotos do meu arquivo e deste livro do Paulo Betancur e Joaquim da Fonseca.

Sessão de autógrafos em 1970. Detalhe: não há mesas para os autores apoiarem os ivros. Na foto abaixo, de 1982, a sessão de autógrafos era ar livre, mas com mesa! No primeiro plano, a partir da esquerda: A orelha e o braço esquerdo do Mário Quintana, Bruna Lombardi e Clarisse, que não tava nem aí para os astros citados.

Nos anos 1990 os autógrafos passaram para um pavilhão, mais confortável.
José Antonio Pinheiro Machado (Anonymous Gourmet) autografa livro para o autor do blog.
Em 2003 participei de uma sessão de autógrafo do meu livro O plágio de Einstein, mas não estou achando as fotos desta sessão. Resenhas e outras informações sobre o livro encontram-se neste endereço: http://www.albert.einstein.nom.br/.  No ano mundial da física (2005), participei de uma sessão especial sobre Einstein, com Alfredo Tolmasquim e Cássio Leite Vieira.
Um dos destaques da feira, que já virou folclore, é a cata por raridades nos balaios.
Uma coisa desagradável é que sistematicamente durante a feira cai uma tromba d’água.

Personalidades

Dyonélio Machado Mário Quintana
Moacyr Scliar Ruy Castro e Luis Fernando Veríssimo
Mário Quintana e Carlos Drummond de Andrade, em bronze.

Read Full Post »

© 2002 C.A. dos Santos
Texto revisado em novembro/2002

Em cada esquina um poeta, em cada beco um jornal. Assim é Natal, boêmia e cheia de bares, com poetas e escritores a dar com pau. Fui buscar na literatura referências a antigos bares natalenses. Garimpei o material relacionado abaixo.

Apesar de tantos bares e botecos, apenas a Confeitaria Delícia teve a primazia de ser imortalizada numa obra exclusiva. Trata-se do magnífico livro de José Alexandre Garcia, Acontecências e tipos da Confeitaria Delícia, ao qual dedicarei uma crônica exclusiva, a ser publicada aqui neste blog.

A vida boêmia ocupa boa parte da obra de Diógenes da Cunha Lima (Natal. Biografia de uma cidade), mas ele pouco menciona os nomes dos bares. Quando fala de Albimar Marinho, é um bar atrás do outro. Quando fala de Berilo Wanderley, menciona o bar do Nemésio, mas não diz como se chamava. Não seria Granada Bar?. Alguém pode me confirmar?

Diógenes também fala do Bar da Tripa, e conta uma história muito engraçada envolvendo Zé Areia, barbeiro, boêmio, humorista nato, improvisador, satírico e epigramista. Era assim que Diógenes via Zé Areia. A propósito, José Alexandre Garcia fala bastante de Zé Areia, principalmente das suas estripulias na Confeitaria Delícia.

Vingt-un Rosado, com a sua insuperável visão editorial, publicou um pequeno trecho do diário de viagem do americano John dos Passos, quando este visitou o Rio Grande do Norte, lá pelos idos de 1962. Quando descreve sua chegada em Natal, ele diz: Descemos no hotel no centro da cidade. Consegue-se no bar um gim tônico [sic] pouco convidativo, mas não há sanduíches. Algumas pessoas de aspecto desanimador transpiram na entrada do hotel. Não almoçamos. São três da tarde e estamos famintos. Mas só conseguimos para comer algumas fatias de queijo seco. Sem pão.

Pela descrição, suponho que John dos Passos esteja se referindo ao Grande Hotel, que era, à época, o melhor hotel de Natal, mas estava localizado na ribeira, e não no centro da cidade.

Boêmio por natureza, Augusto Severo Neto (ASN) refere-se a vários bares no seu agradabilíssimo Ontem vestido de menino. Situado na Tavares de Lyra, o Cova de Onça era um bar parecido com os aristocráticos bares portugueses do Rossio. Durante os anos vinte, trinta e quarenta servia cafezinhos, vermute, cinzano, quinado Constatinno, conhaque Macieira, tudo isso acompanhado de azeitonas e queijo do reino. Entre petiscos, aperitivos e muita conversa política, ficou o dito popular: conversa fiada foi o que fechou o Cova da Onça.

O Café Magestic, ficava em frente ao Royal Cinema, bem ali na esquina da Ulisses Caldas com a Vigário Bartolomeu. Quando ASN o conheceu já dava ares de decadência: Semi-pardieiro de água-e-meia, teto metade forrado com tábua de forro de pinho-de-Riga, metade de telha vã, com muita teia, caibros redondos, viga e tesouras descobertas. Deve ter tido melhor vida, senão não teria o lugar que tem no nosso imaginário. Quem conta sua história detalhadamente é João Amorim Guimarães em Natal do meu tempo. João Amorim nos informa que no local do Magestic existia, no início do século XX, o Café Potiguarânia.

Augusto Severo Neto também escreve sobre o bar do Hotel Internacional, o Wonder Bar, o OK Bar e o Zepelim, dos quais me ocuparei em crônicas futuras.

Falando sobre Os americanos em Natal, Lenine Pinto refere-se ao Café O Grande Ponto, no centro da cidade, e ao bar do Grande Hotel, na Ribeira, aquele mesmo que deve sido visitado por John dos Passos. Nesta foto (extraída de http://grandeponto.blogspot.com/), o Café o Grande Ponto é o primeiro prédio à esquerda.

O Café São Luís, de tantas histórias, é mencionado por Jeanne Fonseca quando descreve o Grande Ponto.

Em O menino e seu pai caçador, Berilo Wanderley faz um comovente obituário do Bar e Confeitaria Cisne e uma elegia em prosa para o Restaurante Pérola e para o Bar do Nasi, ambos no famoso Beco da Lama.

Bibliografia

GARCIA, J.A. Acontecências e tipos da Confeitaria Delícia Natal: Clima, 1987.
GUIMARÃES, J.A. Natal do meu tempo. Natal: Fundação Hélio Galvão, 1999.
LEIROS, J. Relembranças. Natal: Nossa Editora, 1985.
LIMA, D.C. Natal. Biografia de uma cidade. Rio de Janeiro: Lidador, 1999.
NESI, J.F.L. Caminhos de Natal. Natal: Gráfica Diplomata, 2002.
PINTO, L. Os americanos em Natal. Natal: Sebo Vermelho, 2000.
ROSADO, V. John dos Passos no Rio Grande do Norte. Natal: Gráfica Diplomata, 2002.
SEVERO NETO, A. Ontem vestido de menino. Natal: Nossa Editora, 1985.
WANDERLEY, B. O menino e seu pai caçador. Natal: Clima, 1980.

Read Full Post »